Influência da sazonalidade em lagoas de estabilização

E. B. D'Alessandro, N. K. Saavedra, M. F. Santiago, N. C. O. D'Alessandro

Resumen

O estudo avaliou a influência da sazonalidade na eficiência das lagoas de estabilização de um módulo da ETE de Trindade, durante seis meses, que contém períodos de estiagem e chuvosos. Foram analisadas as seguintes variáveis: vazão, temperatura da água residuária, profundidade, TDH, pH, OD, CND, Cla, PT, PO4-3, NH4+, NO3-, DBO520°C, DQO, SST, SSF, SSV e também variáveis climáticas. Não houve remoção de DQO e SST no período de chuva. A Análise de Componentes Principais (ACP) indicou que existiram agrupações entre o afluente bruto e a lagoa anaeróbia, e entre a lagoa facultativa e a de maturação, ou seja, houve variação espacial.  Indicou também que o afluente bruto em nov/10 e dez/10 formou um grupo separado, isto porque nestes meses sofreu bastante diluição caracterizando-o como se fosse outro ambiente. A influência da sazonalidade fez com que as concentrações de algumas variáveis aumentassem e outras diminuíssem o que influenciou na eficiência das lagoas.


Palabras clave

Tratamento de esgoto; Engenharia Sanitária; Físico-Química; Anaeróbia; DBO; Facultativa; Lagoas; Maturação

Texto completo:

PDF

Referencias

Apha – American Public Health Association. 1998. Standard Methods for Examination of Water and Wastewater. 20. Ed, Madrid: Ediciones Diaz de Santos S.A/American Public Health Association; American Water Works Association/Water Pollution Control Federation: Washington, USA.

Bitton, G. 2005. Wastewater Microbiology. 3. ed. Wiley: New York, USA. doi:10.1002/0471717967

Botelho, P.M.D.A., Von Sperling, M., Chernicharo, C.A.D.L. 1997. Avaliação dos dados físico-químicos e fitoplâncton da lagoa de maturação em escala piloto da ETE Nova Vista - Itabira - MG. Anais do 19° Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil, I-120, 681-690.

Braile, P.M., Cavalcanti, J.E. 1993. Manual de tratamento de águas residuárias. Cetesb: São Paulo,Brasil.

Brasil, Ministerio do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 430, de 13de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n° 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Diário Ofical da União, 1(92), 89-91.2011.

Conama – Conselho Nacional do Meio Ambiente. 2008. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. In: CONAMA Resoluções do Conama: resoluções vigentes publicadas entre julho de 1984 e novembro de 2008. 2. ed. Brasília: Conama, 280-303.

Falco, P.B. 2005. Estrutura da comunidade microbiana (algas e bactérias) em um sistema de lagoas de estabilização em duas escalas temporais: nictemeral e sazonal. Tese de Doutorado - Escola de Engenharia Civil, Universidade de São Paulo, São Carlos, São Paulo, Brasil. doi:10.11606/t.18.2005.tde-20042006-081717

Friedler, E., Juanico, M., Shelef, G. 2003. Simulation model of wastewater stabilization reservoirs. Ecological Engineering, 20(2), 121-145. doi:10.1016/S0925-8574(03)00009-0.

Gomes, J.L.C.S. 2002. Estudo comparativo entre oito sistemas de lagoas de estabilização da região noroeste do Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado - Escola de Engenharia Civil, Universidade de São Paulo, São Carlos, São Paulo, Brasil.

Granado, D.C. 2004. Variação nictermais e sazonais na estrutura da comunidade fitoplanctônica num sistema de lagoas de estabilização (Novo Horizonte). Dissertação de Mestrado - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos,São Paulo, Brasil.

Gurung, T.B., Dhakal, R.P., Bista, J.D. 2006. Phytoplankton primary production, chlorophyll-a and nutrient concentrations in the water column of mountainous Lake Phewa, Nepal. Lakes & Reservoirs and Management, 11(3), 141-148. doi:10.1111/j.1440-1770.2006.00301.x

Jordão, E.P., Pessôa, C. A. 1995. Tratamento de Esgotos Domésticos. 4. ed. ABES: Rio de Janeiro, Brasil.

Kalff, J. 2002. Limnology. Prentice Hall: Upper Saddle River, New Jersey, USA.

Kellner, E., Moreira, J.F.V., Pires, E.C. 2009. Influência da estratificação térmica no volume útil e no comportamento hidrodinámico de lagoa de estabilização: determinação experimental e teórica. Engenharia Sanitaria e Ambiental, 14(1), 129-138. doi:10.1590/S1413-41522009000100014.

Lau, P.S., Tam, N.F.Y., Wong, Y.S. 1995. Effect of Algal Density on Nutrient Removal from Primary Settled Wastewater. Environmental Pollution, 89(1), 59-66. doi:10.1016/0269-7491(94)00044-E.

Mara, D. 2005. Pond process design – a practical guide. In: Pond Treatment technology (A. Shilton, Ed.). IWA Publishing: London, Seattle, UK, 168-187.

Martins, N.R. 2003. Dinâmica de algas e aspectos limnológicos em um sistema de lagoas de estabilização de esgotos sanitários em Goiânia-Goiás. Dissertação de Mestrado - Instituto de Ciências Biológicas, Univerdidade Federal de Goiás, Goiania: Goiás, Brasil.

Metcalf & Eddy. 1995. Ingenharía Sanitaria: tratamiento, evacuación y reutilización de aguas residuales. Tradução de Juan de Dios Trillo Montsoriu; Nilo Lletjós Masó e Eloisa Estruch Soto. 2. ed. Labor. S.A.: Maracaibo, Venezuela.

Miwa, A.C.P., Freire, R.H.F., Calijure, M.C. 2007. Dinâmica de nitrogênio em um sistema de lagoas de estabilzação na região do Vale do Ribeira (São Paulo - Brasil). Engenharia Sanitária e Ambiental, 2(2), 169-180. doi:10.1590/S1413-41522007000200008.

Mota, F.S.B., Von Sperling, M. 2009. Nutrientes de esgotos sanitário: utilização e remoção. ABES: Rio De Janeiro, Brasil,v2, 428 p.

Pano, A., Middlebrooks, E.J. 1982. Ammonia nitrogen removal in facultative wasterwater stabilization ponds. Journal of Water Pollution Control Federation, 54(4), 344-351.

Pearson, H., Mara, D., Arridge, H. 1995. The influence of pond geometry and configuration on facultative and maturation waste stabilisation pond performance and efficiency. Water Science and Technology, 31(12), 129-139. doi:10.1016/0273-1223(95)00500-M

Picot, B., Bahlaou, A., Moersidik, S., Baleux, B., Bontoux, J. 1992. Comparison of the purifying efficiency of high rate algal pond with stabilization pond. Water Science and Technology, 25(12), 197-206. https://doi.org/10.2166/wst.1992.0351

Reynolds, C.S. 2006. The Ecology of Phytoplankton. 1. Ed, Cambridge University Press: New York, USA.

SANEAGO. 2008. Estação de Tratamento de Esgotos de Trindade: Dados Operacionais. Goiânia: Goiás, Brasil, p. 1.

SANEAGO. 2012. Relação das ETEs monitoradas pelo loboratório. SUSEI, Goiânia: Goiás, Brasil, p. 3-5.

Shammas, N.K., Wang, L., Wu, Z. 2009. Waste Stabilization Ponds and Lagoons. In: Handbook of Environmental Engineering: Biological Treatment Processes (L. K., Wang, N.C. Pereira, Y-T., Hung, Ed.). The Humana Press: Totowa, New Jersey, USA, 315-370. doi:10.1007/978-1-60327-156-1_8

Silva, M.F.D., Rocha, A.L.C.L., Santos, C.R.A., Magalhães, F.O.C., Nery, L.N.P. 2009. Avaliação de Lagoas de Estabilização do Estado de Goiás. Anais do 25º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Set 20-25, Pernambuco, Brasil, p. 1-7.

Silva, S.A., Oliveira, R.D. 2001. Manual de análises físico-químicas de águas de abastecimento e residuárias. Campina Grande: O Autor, 266 p.

Silveira, J.A.H., Gomez, I.M., Colli, R. 2002. Trophic status based on nutrient concentration scales and primary producers community of tropical coastal lagoons influenced by groundwater discharges. Hydrobiologia, 475(1), 91-98. doi:10.1023/A:1020344721021.

SNIS. 2008. Ministério das Cidades:Secretaria Nacional de Saneamento Nacional. Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento. Disponivel em: http://www.snis.gov.br. Acesso em: 30 maio 2011.

Ter Braak, C.J.F. Ordination. In: Jongman, R.H.G., Ter Braak, C.J.F., Van Tongeren, O.F.R. 1995. Data analysis in community and landscape ecology. Cambridge: Cambrige University, cap. 5, p. 91-173. https://doi.org/10.1017/CBO9780511525575.007

Von Sperling, M. 1996. Princípios básicos do tratamento de esgotos: Princípios do Tratamento Biológico de Águas Resíduárias. Belo Horizonte: UFMG, 2, 1996. 211 p.

Von Sperling, M. 2002. Lagoas de Estabilização: Princípios do Tratamento Biológico de Águas Resíduárias. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG, 3, 2002. 196 p.

Von Sperling, M. 2005. Introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos: Princípios do Tratamento Biológico de Águas Resíduárias. Belo Horizonte: UFMG, v.1, 452 p.

Von Sperling, M., Oliveira, S.C. 2009. Comparative performance evaluation of full-scale anaerobic and aerobic wastewater treatment processes in Brazil. Water Science & Technology, 59(1), 15-22. doi:10.2166/wst.2009.841.

Abstract Views

3100
Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


 

Citado por (artículos incluidos en Crossref)

This journal is a Crossref Cited-by Linking member. This list shows the references that citing the article automatically, if there are. For more information about the system please visit Crossref site

1. Monte Carlo simulation in the evaluation of failure probability in waste stabilization ponds
Matheus Sales Alves, Gustavo Ross Ribeiro Lima, André Luis Calado Araújo, Fernando José Araújo da Silva, Erlon Lopes Pereira
Journal of Water Process Engineering  vol: 38  primera página: 101658  año: 2020  
doi: 10.1016/j.jwpe.2020.101658



Esta revista se publica bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Universitat Politècnica de València

Fundación para el Fomento de la Ingeniería del Agua

e-ISSN: 1886-4996  ISSN: 1134-2196

https://doi.org/10.4995/ia