Remoção de cianobactérias e saxitoxinas de água de manancial brasileiro eutrofizado

Marcelo De Julio, Diego Augusto Fioravante, Osmar Selhorst Filho, Fabiano Icker Oroski, Nigel J.D. Graham

Resumen

Com a degradação dos mananciais, os responsáveis pela operação de estações de tratamento de água (ETA) estão encontrando inúmeros problemas na rotina operacional. Assim, precisam adequar os processos e operações de tratamento em função da atual realidade, a qual não mais condiz com a qualidade da água para qual a ETA foi construída. Neste contexto, este trabalho teve como objetivo avaliar a remoção de cianobactérias e saxitoxinas através da construção dos diagramas de coagulação para o sulfato de alumínio, cloreto de polialumínio (PAC), cloreto férrico e Reagente de Fenton. A água de estudo foi proveniente de manancial eutrofizado, coletada na calha Parshall da ETA do município de Ponta Grossa, Brasil. Apos a seleção do par de valores dosagem de coagulante x pH de coagulação (jartest) para cada coagulante, foram realizados ensaios de filtração em areia após a decantação para seleção das dosagens de polímero catiônico e carvão ativado em pó mais apropriadas para cada coagulante. Obteve-se total remoção de células de cianobactérias (exceto para PAC), concentração de saxitoxinas abaixo do estabelecido pelo padrão de potabilidade brasileiro (exceto para sulfato de alumínio) e valores de turbidez e cor aparente abaixo de 1,0 NTU e 15,0 uH, respectivamente.

Palabras clave

Enginyeria civil; Enginyeria hidràulica, marítima i sanitària

Texto completo:

PDF

Referencias

American Water Works Association, (1999). Water quality and treatment - A handbook of community water supplies. AWWA, McGraw-Hill, Inc., 5th ed. USA 1233 pp.

Amirtharajah, A. e Mills, K.M., (1982). Rapidmix design for mechanisms of alum coagulation. Journal AWWA, 74(4), 200–216. https://doi.org/10.1002/j.1551-8833.1982.tb04890.x

Azevedo, S.M.F.O. (1998). Toxinas de cianobactérias - causas e conseqüências para a Saúde Pública. Medicina On Line, 1(3), 1–24.

Bof, J.G., (2007). Remoção de turbidez e de fitoplâncton por meio da sedimentação e da flotação, com base no diagrama de coagulação do sulfato de alumínio - avalia ̧cão em escala de bancada. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Gradua ̧cão em Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 138 pp.

Bittencourt-Oliveira, M.C. e MOLICA, R., (2003). Cianobactéria invasora – aspectos moleculares e toxicológicos de cylindros-permopsis raciborskii no Brasil. Revista Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, ed. n.30, jan-jun, 82–90.

Carmichael, W.W., (1994). The Toxins of Cyanobacteria. Scientific American, 270(1), 64–72. https://doi.org/10.1038/scientificamerican0194-78

Chorus, I. e Bartram, J. (ed.), (1999). Toxic Cyanobacteria in Water. A guide to their Public Health consequences. Monitoring and Management. Who. E & FN Spon, London, 416 pp. https://doi.org/10.4324/9780203478073

Codd, G.A., (2000). Cyanobacterial toxins, the perception of the water quality and the priorisation of eutrophication control. Ecological Engineering, 16, 51–60. https://doi.org/10.1016/S0925-8574(00)00089-6

Council Directive, (1998). 98/83/EC on the quality of water intented for human consumption. Official Journal of the European Communities, Adopted by the Council, on 3 November 1998, 23 pp.

De Julio, M., (2005). Efeito da massa molecular das substâncias húmicas na eficiência da coagulação com o reagente de Fenton, floculação e flotação de águas de mesma cor verdadeira. Tese (Doutorado) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 276 pp.

De Julio, M., Di Bernardo, L. e De Almeida Neves, E.F., (2005). Remoção de substâncias húmicas de água por meio do reagente de fenton e da flotação por ar dissolvido. 23o. Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, ABES, Campo Grande/MS, pp. 1–9.

Di Bernardo, L., (1995). Algas e suas influências na qualidade das águas e nas tecnologias de tratamento. ABES, Rio de Janeiro, 127 pp.

Di Bernardo, L., Di Bernardo, A. e Centurione Filho, P.L., (2002). Ensaios de tratabilidade de água e dos resíduos gerados em estaçoes de tratamento de água. RiMA, São Carlos, 237 pp.

Di Bernardo, L. e Dantas, A.D.B., (2005). Métodos e técnicas de tratamento de água. 2ed., 2 Volumes, RiMA, São Carlos, 1565 pp. https://doi.org/10.1590/S1413-41522006000200001

Funasa, (2003). Cianobactérias tóxicas na água para consumo humano na saúde pública e processos de remoção em água para consumo humano. Brasília, Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde, 56 pp.

Lambert, T.W., Boland, M.P., Holmes, C.F.B. e Hrudey, S.E., (1994). Quantitation of the microcystin hepatotoxins in water at environmentally relevant concentrations with the protein phosphate bioassay. Environmental Science & Technology, 28(4), 753–5. https://doi.org/10.1021/es00053a032

NHMRC, (2001). Australian drinking wáter guidelines. National Health and Medical Research Council and the Agricultural Resource Management Council of Australia and New Zealand.

Orr, P.T., Jones, G.J. e Hamilton, G.R., (2004). Removal of saxitoxins from drinking water by granular activated carbon, ozone and hydrogen peroxide - implications for compliance with the Australian drinking water guidelines. Water Research, 38, 4455–4461. https://doi.org/10.1016/j.watres.2004.08.024

Oshima, Y., (1995). Post-column derivatization HPLC methods for paralytic shellfish poisons. Hallegraeff, G.M., Anderson, D.M. e Cembella, A.D. (Eds.), Manual on Harmful Marine Microalgae, IOC Manuals and Guides No. 33. UNESCO, Paris, 83 pp.

Porfirio, Z., Ribeiro, M.P., Estevam, C.S., Houly, R.L.S. e Sant’ Ana, A.E.G., (1999). Hepatoesplenomegaly caused by an extract of cyanobacterium Microcystis aeruginosa bloom collected in the Manguaba Lagoon, Alagoas, Brazil. Microbiology Magazine, 30(3), 278–285. https://doi.org/10.1590/S0001-37141999000300016

Silva, D., (2005). Dinâmica de populaçoes de Microcystis (Cyanobacteria) em pesqueiros da Região Metropolitana de São Paulo, SP, Brasil. Dissertação (Mestrado), Instituto de Botânica de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente, Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo, 146 pp.

Standard methods or the examination of wáter and wastewater, (2005). 21a. ed. American Public Health Association, American Water Works Association, Water Pollution Control Federation, 1368 pp.

Watanabe, M.F., Harada, K., Carmichael, W.W. e Fujiki, H., (1996). Toxic Microcystis. CRC Press, Boca Raton, 262 pp.

World Health Organization, (2006). Guidelines for drinking-water quality. WHO. First addendum to third edition, Vol. 1, Recommendations, 515 pp.

Abstract Views

501
Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM




Esta revista se publica bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Universitat Politècnica de València

Fundación para el Fomento de la Ingeniería del Agua

e-ISSN: 1886-4996  ISSN: 1134-2196

https://doi.org/10.4995/ia